Busca rápida
digite título, autor, palavra-chave, ano ou isbn
 
Filosofia, estética e ciência
 

indisponível  (R$ 76,00)
Avise-me quando disponível

         




 
Informações:
Site
site@editora34.com.br
Vendas
(11) 3811-6777

vendas@editora34.com.br
Assessoria de imprensa
imprensa@editora34.com.br
Atendimento ao professor
professor@editora34.com.br

Obras incompletas

 

Friedrich Nietzsche

Organização de Gérard Lebrun
Projeto gráfico de Raul Loureiro

Seleção e ensaio de Gérard Lebrun Prefácio e revisão técnica de Márcio Suzuki Posfácio de Antonio Candido


432 p. - 15 x 22,5 cm
ISBN 978-85-7326-551-4
2014 - 1ª edição
Edição conforme o Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa

Por que ler Nietzsche? Como ler Nietzsche? Mais do que uma cômoda coleção de melhores momentos ou uma coleção de frases prêt-à-porter, estas Obras incompletas são uma tentativa de responder a essas duas perguntas que perseguem sem descanso os leitores do filósofo desde a década de 1870.
Por que ler Nietzsche? Para entrar na posse de uma tese ou de uma teoria? Ora, o filósofo é o primeiro a advertir que "a posse possui" e a convicção escraviza. E como, então, ler Nietzsche? Como discípulo ou devoto? Mas o próprio autor não tarda a recordar, pela boca de seu porta-voz Zaratustra, que o seguidor de hoje é o perseguidor de amanhã, que o crente mais pio não demora a aprisionar o espírito.
Atentos a esse alerta do próprio filósofo alemão, Gérard Lebrun e Rubens Rodrigues Torres Filho produziram um livro único. Em vez de um corpo de doutrina, o leitor de espírito livre encontrará um método de interrogação da condição humana em tudo que lhe é ou parece ser essencial. Bem e mal, verdade e mentira, mito e moral, vida e morte, história e tempo - às mãos de Nietzsche, tudo é matéria legítima para a investigação, inclusive a própria filosofia. Sob uma condição, a única: que não nos apressemos a chegar à resposta, que saibamos manter as perguntas em aberto, para que vivam livres e incompletas.


Sobre o autor
Friedrich Wilhelm Nietzsche nasceu em Röcken, perto de Leipzig, em 1844, filho de um pastor luterano. Estudou letras clássicas na Escola de Pforta e nas universidades de Bonn e Leipzig, onde travou contato com o pensamento de Schopenhauer. Aluno brilhante, foi convidado aos 24 anos a lecionar filologia clássica na universidade de Basileia, onde permaneceu por dez anos. A partir dos livros O nascimento da tragédia no espírito da música (1872), Sobre verdade e mentira em sentido extramoral (1873) e A filosofia na época trágica dos gregos (1873), começou a tomar distância da filologia e a desenvolver uma escrita filosófica única. Ainda professor em Basileia, publicou as polêmicas Considerações extemporâneas (1873-1876) e a primeira parte de Humano, demasiado humano (1878). Em 1879, aposentou-se da universidade por motivo de saúde e, durante a década seguinte, levou vida nômade entre a Suíça, a Itália e o sul da França. Nesses anos, publicou em rápida sucessão o essencial de sua obra filosófica: Aurora (1881), A gaia ciência (1882), Assim falou Zaratustra (1883-1885), Além do bem e do mal (1886), Genealogia da moral (1887), O caso Wagner (1888), Crepúsculo dos ídolos (1889), além de sua autobiografia, Ecce homo (1888). No começo de 1889, sua saúde mental agravou-se definitivamente, e Nietzsche viveu por mais onze anos aos cuidados da mãe e da irmã, vindo a falecer de uma infecção pulmonar em Weimar, em 1900.


Sobre o organizador
Gérard Lebrun nasceu em Paris, em 1930. Estudou filosofia na Sorbonne, onde se doutorou em 1970, sob orientação de Georges Canguilhem, com teses sobre Kant (Kant et la fin de la métaphysique) e Hegel (La patience du concept). Dividiu a carreira acadêmica entre as universidades de São Paulo (a partir de 1960) e Aix-en-Provence (a partir de 1966). No Brasil, marcou gerações de estudantes, colaborou com jornais, assinou obras de divulgação, escreveu inúmeros ensaios de história da filosofia (reunidos postumamente em A filosofia e sua história) e, fruto de longo convívio com a obra de Nietzsche, lançou em 1988 o livro O avesso da dialética: Hegel à luz de Nietzsche (1988). Gérard Lebrun faleceu em Paris, em 1999.


Sobre o tradutor
Rubens Rodrigues Torres Filho nasceu em Botucatu, em 1942. Estudou filosofia na Universidade de São Paulo, onde se doutorou em 1967, com a tese O espírito e a letra: a crítica da imaginação pura em Fichte. Ensinou história da filosofia moderna na mesma universidade de 1965 a 1994. Como tradutor, verteu para o português autores como Kant, Fichte, Schelling, Nietzsche, Novalis e Benjamin. Seus ensaios filosóficos estão reunidos em Ensaios de filosofia ilustrada (1987; 2ª edição, 2004). Estreou como poeta ainda nos tempos de estudante, com o livro Investigação do olhar, de 1963; publicou sete volumes de poesia, reunidos no último deles, Novolume, de 1997.


Veja também
De Anima
Crítica e clínica
A razão narrativa
A filosofia hedeggeriana e o nacional-socialismo

 


© Editora 34 Ltda. 2019   |   Rua Hungria, 592   Jardim Europa   CEP 01455-000   São Paulo - SP   Brasil   Tel (11) 3811-6777 Fax (11) 3811-6779