Busca rápida
digite título, autor, palavra-chave, ano ou isbn
 
Filosofia, estética e ciência | Poesia
 

 R$ 39,00
         

        frete grátis  (saiba mais)

       




 
Informações:
Site
site@editora34.com.br
Vendas
(11) 3811-6777

vendas@editora34.com.br
Assessoria de imprensa
imprensa@editora34.com.br
Atendimento ao professor
professor@editora34.com.br

As estrelas

 

Eliot Weinberger

Tradução de Samuel Titan Jr.
Ilustrações de Fidel Sclavo
Projeto gráfico de Raul Loureiro

Edição bilíngue


56 p. - 15 x 22,5 cm
ISBN 978-85-7326-733-4
2019 - 1ª edição
Edição conforme o Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa

Cronópio das letras norte-americanas, Eliot Weinberger levou o ensaio literário a terrenos inéditos. Escrito a partir de um convite do MoMA de Nova York e publicado em 2000, As estrelas foram um livro decisivo nesse percurso: em suas breves páginas consumou-se o apagamento das fronteiras entre o ensaio, a ficção e a poesia. Ao mesmo tempo, Weinberger complicava as distinções fáceis entre o próprio (do autor, de sua tradição, de sua cultura) e o alheio (vindo de outros livros, línguas, latitudes, longitudes e convocado por meio de uma citação universal).
É assim que uma pergunta formulada nos termos mais simples ("As estrelas, o que são?") desencadeia um turbilhão cintilante de respostas, de definições que rodopiam diante de nossos olhos antes de retornarem, não à pergunta de origem, mas à origem da própria pergunta: a mera, a misteriosa presença das estrelas a nos interpelar no firmamento noturno. As respostas e definições vêm de todas as partes e todos os tempos: de poemas, textos filosóficos, manuais de física, mitologias próximas ou distantes, tradições anônimas e relatos de viagem.
Diz o autor que uma única regra de ouro tem vigência neste ensaio sui generis: tudo, aqui, deve provir de fonte documental e verificável. Mas talvez haja ainda uma outra regra, mais secreta: tudo, aqui, deve se apresentar ao leitor em pé de igualdade, em sua comum condição de testemunhos da imaginação humana, ordenados não por hierarquias prévias, mas por um sutil trabalho de composição que beira a música e que é a marca da grande poesia.


Sobre o autor
Criador de uma obra multifária, Eliot Weinberger nasceu em 1949, em Nova York, cidade onde mora até hoje. Depois de abandonar os estudos universitários, passou a se dedicar ao ensaísmo e à tradução. Como tradutor de literatura hispano-americana, verteu para o inglês diversos livros de seu amigo Octavio Paz, bem como poemas do também mexicano Xavier Villaurrutia, ensaios de Jorge Luis Borges e o Altazor de Vicente Huidobro; na esteira do interesse que o modernismo americano, desde Pound, dedicou ao Oriente, organizou The New Directions Anthology of Classical Chinese Poetry (2003) e reeditou as traduções de poesia chinesa e japonesa assinadas por Kenneth Rexroth, além de escrever um pequeno estudo já clássico, 19 Ways of Looking at Wang Wei (1987, com reedição ampliada em 2016); é ainda tradutor do poeta contemporâneo Bei Dao, de quem já publicou duas antologias. Como ensaísta, Weinberger começou a escrever na contramão de um gênero até então quase intocado pela experimentação formal e mais próximo da crônica, do jornalismo ou da crítica acadêmica. A partir de Works on Paper (1986), Outside Stories (1992) e Karmic Traces (2000), borrou progressivamente os limites entre ensaio, ficção e poesia, publicando livros como The Stars (2000), Muhammad (2006), para finalmente chegar ao projeto de um grande "ensaio serial", iniciado com An Elemental Thing (2007) e The Ghosts of Birds (2016). Por fim, Weinberger é autor de dois grandes livros de intervenção política, What I Heard about Iraq (2005) e What Happened Here: Bush Chronicles (2005), ambos publicados no Brasil pela editora Record. A obra de Eliot Weinberger já foi traduzida para mais de trinta idiomas.



Sobre o tradutor
Samuel Titan Jr. nasceu em Belém, em 1970. Estudou filosofia na Universidade de São Paulo, onde leciona Teoria Literária e Literatura Comparada desde 2005. Editor e tradutor, organizou com Davi Arrigucci Jr. uma antologia de Erich Auerbach (Ensaios de literatura ocidental, 2007) e assinou versões para o português de autores como Adolfo Bioy Casares (A invenção de Morel), Gustave Flaubert (Três contos, em colaboração com Milton Hatoum), Jean Giono (O homem que plantava árvores, 2018, em colaboração com Cecília Ciscato), Voltaire (Cândido ou o otimismo, 2013) e Prosper Mérimée (Carmen, 2015).






Sobre o ilustrador
Fidel Sclavo nasceu em Tacuarembó, no Uruguai, em 1960. Depois de estudar artes e viver em Montevidéu, Barcelona e Nova York, instalou-se em Buenos Aires, onde mora até hoje. Marcada pelo diálogo com a música e a literatura, sua obra plástica foi exposta em diversos museus e galerias na Argentina, nos Estados Unidos e na Europa. Como ilustrador, colaborou com muitas revistas, editoras e selos musicais, na Argentina e no exterior. No Brasil, teve dois de seus livros infantis publicados pela editora Vergara & Riba: Os amigos imaginários e O que existe em você.

Veja também
O tempo que passa (?)
20 poemas para ler no bonde
Aventuras de Alice no País das Maravilhas

 


© Editora 34 Ltda. 2019   |   Rua Hungria, 592   Jardim Europa   CEP 01455-000   São Paulo - SP   Brasil   Tel (11) 3811-6777 Fax (11) 3811-6779